Facebook RSS
magnify
Home Notícias Rodovias são os principais desafios na área de cargas
formats

Rodovias são os principais desafios na área de cargas

crop_4fbd4fb7803cc.1337806775 A rodada de concessões rodoviárias do ano passado, que somaram cinco trechos com deságio médio de 40%, ainda é apenas uma pequena faísca para que o setor caminhe com competitividade e ajude a reduzir o alto custo do frete no País. O investimento público no setor ainda é muito abaixo de países com rodovias em melhores condições, como Estados Unidos e China, segundo dados da Confederação Nacional dos Transportes (CNT). Com a falta de qualidade das estradas, o resultado é um custo 25% maior para transportadoras.

De acordo com especialistas e empresários, os leilões de 2013 – que levaram à iniciativa privada 4,2 mil quilômetros de rodovias federais – ainda não representarão uma melhoria do preço do frete de maneira imediata. “As concessões contemplaram boa parte da região central do País, mas a obrigatoriedade de duplicação tem prazo de cinco anos, o que não resolve os problemas de custos imediatamente”, diz José Carlos Abreu, presidente da empresa mineira Transporta Log.

Segundo o executivo, as más condições das estradas, somada à nova lei do caminhoneiro e o acesso difícil aos portos do País são os fatores que mais contribuem para um aumento exponencial no preço do frete. “Meu custo fica até 20% a cima do que deveria em função das horas a mais que o caminhoneiro fica parado no porto, e os problemas das estradas, que atrasa o transporte e gasta mais gasolina”, afirmou.

A opinião do executivo vem em linha a um estudo da CNT, que aponta que, em rodovias deficientes, a alta do custo da manutenção dos veículos e consumo de combustível, lubrificantes, pneus e freios geram um custo extra de 25% para a transportadora. “Se o pavimento de todas as rodovias tivesse classificação boa ou ótima, em 2013, seria possível uma economia de 5% no consumo de combustível, o que representaria 661 milhões de litros de diesel, ou R$ 1,39 bilhão”, diz o presidente CNT, Clésio Andrade.

O estudo aponta ainda que hoje as estradas do País respondem por 65% da movimentação de cargas e 90% da movimentação de passageiros, o que torna ainda mais necessário uma ampliação contínua das rodovias. Para se tornar competitiva, a CNT aponta a necessidade de duplicação de 30 mil quilômetros de rodovias. “É preciso também a construção de 18 mil quilômetros. O investimento necessário para atingir essa meta seria de R$ 355 bilhões”. Este ano a presidente Dilma Rousseff anunciou uma nova rodada de concessões de rodovias. Ao todo, serão 2,6 mil quilômetros que irão contribuir para o escoamento, sobretudo, da safra agrícola da Região Centro-Oeste e produtos de agropecuária oriundos do Sul do País.

 Para ler mais notícias, clique em blog.minasmaquinas.com.br  . Informações sobre a  Minasmáquinas visite nosso site. Siga-nos no Twitter e Facebook .

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
No Comments  comments 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *