Facebook RSS
magnify
Home Na estrada Excesso de peso põe em risco vida do motorista
formats

Excesso de peso põe em risco vida do motorista

O excesso de peso nos caminhões é um fardo pesado demais para as rodovias. A conclusão é de um relatório elaborado pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Veículos com carga acima do permitido, além de favorecerem a ocorrência de acidentes, são em grande parte responsáveis por danos no pavimento das estradas. A prática causa ainda aumento do consumo de diesel e desgaste mais rápido nos veículos, especialmente pneus e suspensão.

A pesquisa foi feita por iniciativa da Superintendência Regional Campos Gerais, com sede em Ponta Grossa, em postos de balança localizados em várias regiões do Estado, segundo informa Vanderlei Carlos Zanella, do setor de concessões do DER. O levantamento, com base em estudos do engenheiro Rubem Penteado de Melo, indica que transportar cargas além do peso permitido, com a intenção de melhorar o desempenho, também reduz a oferta de fretes, prejudicando a categoria como um todo.

Conforme a Coordenadoria de Engenharia de Tráfego e Segurança Rodoviária do DER, de janeiro a junho de 2012, do total de 14.233 pesagens efetuadas em veículos de carga, 9% acusaram excesso de peso, ou seja, 1.221 caminhões trafegavam acima do volume de carga permitido. A estatística é dos postos de pesagens de cinco regiões do Estado (CETs, Campos Gerais, Norte, Noroeste e Oeste). O DER emitiu multas de R$ 1.027.820,99 por excesso de peso, no período.

Para os técnicos, as estatísticas que afirmam que 90% dos acidentes são causados pelos motoristas são uma simplificação, pois entre as causas “não identificadas” está o excesso de carga nos caminhões. Segundo o estudo, 45% dos caminhões reprovam nos testes de freio.

Uma das irregularidades constatadas é o aumento irregular dos eixos dos caminhões de sete (bitrens) para nove eixos (bitrenzão), com 19,8 metros, fora dos padrões, com excesso de comprimento e principalmente de peso. A transformação é feita, em geral, sem que haja qualquer estudo a respeito da capacidade de frenagem e de peso, o que resulta em graves acidentes e aumento na manutenção das rodovias.

Os custos de restauração do asfalto, além dos problemas com segurança, segundo Zanella, são repassados a toda a sociedade e encarecem os produtos e serviços, inclusive a conservação das rodovias do Anel de Integração. Apenas em situações especiais o Código Brasileiro de Trânsito (CTB) autoriza transporte de cargas com peso e dimensões excedentes, a critério do Conselho Nacional do Trânsito (Contran).

Entre os impactos que o excesso de peso traz para a atividade está a redução da frenagem e o superaquecimento. A eficiência do sistema de freios é dada pela relação entre o peso do conjunto e a sua capacidade de frenagem. Se o veículo leva peso acima do normal, os riscos aumentam com a queda na capacidade de desaceleração.

O excesso de peso também prejudica a estabilidade do veículo, aumentando o risco de tombamento, além de comprometer a dirigibilidade. Para uma mesma manobra, um caminhão com excesso de peso pode tombar em uma velocidade em que um caminhão com carga normal não tombaria. Veículos irregulares, com cargas perigosas, também levam grande risco para todos os usuários.

Os veículos com cargas acima do peso especificado causam danos ao pavimento e às pontes e deixam trilhas de rodas ou afundamento da pista, que interferem na dirigibilidade de veículos menores (automóveis e motocicletas) e dos caminhões, favorecendo acidentes. Esses rastros no asfalto propiciam o acúmulo de água e perda de controle dos condutores, além da quebra da suspensão, entre outros incidentes.

Sem levar em conta os danos a terceiros e ao patrimônio público, a carga em excesso prejudica os próprios caminhões modificados, causando danos na suspensão, comprometendo feixes de molas, originado quebras em ponteiras de eixo, assim como trincas ou empenamentos em chassi.

Fonte: Blog do Caminhoneiro.

Para ler mais notícias, clique em  blog.juizdeforadiesel.com.br . Informações sobre a Juiz de Fora Diesel visite nosso site. Siga-nos no Twitter e Facebook .

 
 Share on Facebook Share on Twitter Share on Reddit Share on LinkedIn
No Comments  comments 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *